Um físico descobriu a causa do acidente da Challenger

Richard Feynman

 

Como o físico Richard Feynman (na foto ao lado) descobriu a causa do trágico acidente com o Ônibus Espacial Challenger.

 

 

 

shuttle1Depois que o Ônibus Espacial Challenger e sua tripulação foram destruídos numa terrível explosão, em 28 de janeiro de 1986, a NASA convocou membros da Comissão Rogers para investigar a causa do desastre. Quando Feynman foi chamado para participar dessa comissão, aceitou relutantemente. Não sabia ele que seria a pessoa que descobriria a causa exata da explosão!

Pesquisando a razão do acontecido com a nave, ele dirigiu-se diretamente ao pessoal que a construiu. Com essas pessoas aprendeu muitos dos detalhes que o fizeram descobrir a causa da explosão, e ainda informações que o fizeram concluir o quanto era arriscado voar com um ônibus espacial.

Oficiais da NASA diziam que a chance de falha da nave era de aproximadamente 1 em 100.000. Feynman descobriu que essa probabilidade estava na realidade mais próxima de 1 para 100. Também descobriu que a borracha usada para selar as juntas do jato do foguete, em anéis em “O”, falhava em expandir-se quando a temperatura era igual ou abaixo de zero graus Celsius. A temperatura no momento do lançamento da Challenger estava abaixo de zero.

Acreditava que tinha a solução, mas, para testá-la, usou uma peça do mesmo material do “anel em O”, prendeu-a com um grampo em “C”, para simular as condições reais da nave, e mergulhou o conjunto em um copo com água e gelo.

Nesse ponto é preciso entender o papel dos anéis em “O” nas juntas do foguete de combustível sólido – SRB; quando o material dentro do SRB começa a se aquecer, se expande e pressiona as “paredes”. O anel em “O” tem que se expandir junto, para não deixar frestas. Acontecendo uma abertura na junta do SRB, o gás escapa por ela.

shuttle2Apontado pela seta, a foto ao lado exibe o ponto onde o gás estava escapando. Com o atrito com o ar, o gás se tornou chama e provocou a ruptura do tanque de combustível, que liberou hidrogênio líquido na atmosfera, explodindo.

Como o anel em “O” não conseguiu dilatar, à zero graus Celsius, levou à explosão do propulsor e da própria nave espacial.

A matéria que serviu como base para este texto foi publicada originalmente em Feynman Online. A responsabilidade pela tradução está declarada como sendo de Mauro Pennafort. O texto original traduzido está disponível em: http://www.oocities.org/mpennafort/challenger.html

Paulo Dirceu Dias
paulodias@pdias.com.br
Sorocaba – SP