Úlcera Venosa

Os comentários seguintes servem apenas como alerta e orientação generalizada. A automedicação pode originar agravamentos. Nunca deixe de consultar seu médico.

Há 3 tipos principais de úlcera de membros inferiores: venosa, arterial e neuropática. Venosas são a maioria das úlceras que surgem em membros inferiores, enquanto que as úlceras de pé, com maior probabilidade, são devidas à insuficiência arterial ou neuropatias. O tipo de úlcera comumente encontrado – aproximadamente de 70% a 80% das úlceras de membros inferiores – são causadas por doença venosa, enquanto que, problemas arteriais soam 10 a 25%, podendo também coexistir com distúrbios venosos. As pessoas mais acometidas têm, em geral, mais de 60 anos de idade, podendo, entretanto, pessoas de até 40 ou mesmo 30 anos apresentarem úlceras venosas.

Mulheres parecem ser mais suscetíveis do que homens. Classicamente as úlceras venosas são descritas como indolores. Porém, existem registros de úlceras venosas que doem, e que doem muito. Elas não requerem intervenção cirúrgica e não costumam levar à amputação tão frequentemente como as úlceras arteriais. Ainda não somam esclarecimentos adequados os passos que explicam como a hipertensão venosa leva à ulceração venosa.

É muito alto o índice de reulceração, nos casos de úlceras venosas, com dois terços dos pacientes apresentando recidivas das úlceras. Para entender como isso começa, é preciso saber que o sangue que circula pelas nossas pernas consegue subir, apesar da força de gravidade que o impulsiona em sentido inverso, graças ao músculo da panturrilha, a barriga da perna, que, ao caminharmos se contrai e se relaxa, em movimentos regulares. A cada contração destes músculos, o sangue é forçado para cima em direção a um segmento seguinte da veia. O refluxo em direção ao chão é impedido por válvulas que se abrem somente no sentido ascendente, impedindo que todo o sangue que subiu, desça novamente.

Quando estas válvulas, por alguma razão, deixam de funcionar adequadamente, este ciclo de fluxo sanguíneo em “mão única” se interrompe e o refluxo de sangue acontece, provocando aumento da pressão exercida sobre as veias, deformando-as e tornando-as dilatadas ou “varicosas”. As úlceras venosas podem chegar a durar, em cerca de 34% dos casos, até mais de 5 anos. Os objetivos do tratamento de uma úlcera venosa são:

    • redução do inchaço;
    • alívio da dor, quando dolorosa;
    • melhora da lipodermatoesclerose;
    • cicatrização das úlceras;
    • prevenir que as úlceras voltem a aparecer após cicatrizadas; e,
    • ponto importante, a terapia de compressão.

Há como prevenir o aparecimento de uma úlcera venosa? Sim. Sempre há o que fazer quando o problema da úlcera ainda não se instalou, se houver problemas de circulação venosa . A perna com problemas venosos tem um aspecto muito característico:

    • a perna incha (Edema);
    • a pele pode ficar seca;
    • pode coçar; e,
    • algumas vezes, pode assumir uma coloração amarronzada ou escurecida.

O que fazer então?

    • Ative os músculos da “bomba muscular da panturrilha (“barriga da perna”), andando e exercitando-se diariamente.
    • Diminua a quantidade de gorduras na alimentação e coma mais frutas e vegetais.
    • Estando acima do seu peso ideal, perder um pouco dele só vai ajudar. Se achar complicado, não hesite em procurar ajuda de um profissional, para fazer isso de forma bem orientada. Você só tem a ganhar!
    • Sempre que houver oportunidade sente-se com as pernas elevadas, de preferência acima do nível do seu coração.
    • Evite sentar-se com as pernas cruzadas. Esta posição dificulta a circulação do sangue.
    • Se o trabalho exige que você passe muitas horas sentado ou em pé, tente variar sua posição o mais possível e movimente, sempre que lembrar, o seu pé para cima e para baixo. Ande durante o dia, todas as vezes em que for possível.
    • Examine as suas pernas e pés todos os dias, procurando por pequenos ferimentos e alterações na coloração da sua pele.
    • Por fim, procure um profissional de saúde habilitado a lhe dar informações e orientações adequadas. Se necessário, para identificá-lo e localizá-lo peça ajuda a familiares e amigos mais próximos.
    • Agende uma consulta e exponha ao profissional que você deseja evitar o aparecimento de uma úlcera em sua perna.

Lembre-se: suspeitando de anormalidade, consulte seu médico ou profissional especializado.

Com pequenas adaptações, o texto usado é transcrição do site: “Biocure” da “Pele Nova”.

Paulo Dirceu Dias
paulodias@pdias.com.br
Sorocaba – SP