Úlcera de Pressão

Os comentários seguintes servem apenas como alerta e orientação generalizada.

A automedicação pode originar agravamentos. Nunca deixe de consultar seu médico.

Úlcera de pressão é uma área de lesão localizada na pele e tecidos abaixo dela, que pode ser causada por pressão ou perda de tecido, ou a combinação das duas coisas (National Pressure Ulcer Advisory Panel USA, 1998). Elas surgem com maior frequência nas regiões do corpo em que há proeminências ósseas sujeitas a atrito contra uma superfície dura. Isso ocorre, em geral, em pessoas que ficam por muito tempo imóveis ou com pouca mobilidade, como as internadas prolongadamente em hospitais, UTIs, clínicas geriátricas, instituições psiquiátricas, que permanentemente se utilizam de cadeiras de rodas, etc. As úlceras de pressão são classificadas em 4 categorias (Grau I, II, II e IV), de acordo com a profundidade de acometimento do tecido. Apenas como ilustração, verifique as imagens seguintes.

ulcera001GRAU I

 

 

 

 

ulcera002GRAU II

 

 

 

 

ulcera003GRAU II

 

 

 

 

 

ulcera004GRAU III

 

 

 

 

ulcera005GRAU III

 

 

 

 

 

ulcera006GRAU IV

 

 

 

 

 

ulcera007GRAU IV

 

 

 

 

Cerca de 3% a 14% dos pacientes hospitalizados atualmente desenvolvem este tipo de úlcera. Nos portadores de problemas crônicos e residentes em asilos para idosos, a incidência estimada é de 15% a 25% (dados americanos). No Brasil não temos esses dados dos hospitais, mas sabe-se que o problema existe e é bastante frequente. A presença da úlcera de pressão tem sido considerada um indicador de qualidade em serviços de saúde, na América do Norte e Europa, e a tendência nos melhores centros de saúde é no sentido de se definir diretrizes e normas que orientem a melhor prática para reduzir o problema e suas consequências. Há como prevenir? Sim! Sabe-se hoje que algumas lesões acontecem em virtude da doença e do estado do paciente de alto risco, porém a maior parte delas pode ser evitada com:

    • utilização de materiais e equipamentos próprios para aliviar a pressão;
    • cuidados de proteção à pele; e,
    • atenção especial aos aspectos nutricionais.

Os principais passos para prevenir são:

  1. identificar as pessoas que estão sob maior risco, que necessitam prevenção, e os fatores específicos que as estão colocando sob risco neste momento;
  2. manter e melhorar a tolerância da pele e tecidos à pressão;
  3. proteger contra os efeitos adversos das forças externas, como pressão, fricção, cisalhamento; e,
  4. promover programas educacionais nas instituições e para familiares de pacientes.

CUIDADOS QUE PODEM SER TOMADOS PELOS FAMILIARES E CUIDADORES, COM AS PESSOAS QUE ESTÃO INTERNADAS DE FORMA PROLONGADA, DE CAMA EM CASA OU EM CLÍNICAS E INSTITUIÇÕES DE REPOUSO.

    • Limpe a pele assim que ela se sujar.
    • Evite água quente e use um sabão neutro glicerinado, para não irritá-la ou ressecá-la.
    • Se a pele estiver seca, proteja-a com cremes hidratantes de boa qualidade.
    • Evite massagens e fricções nas áreas de protuberâncias ósseas se a pele estiver avermelhada, com manchas roxas ou bolhas, pois pode estar se iniciando uma úlcera nesta região, e a manipulação pode piorar.
    • Se a pessoa acamada ou imobilizada não consegue ter controle sobre a urina ou sobre as evacuações, deve usar fraldas descartáveis ou absorventes e ter sua roupa trocada sempre que necessário.
    • Usar pomadas protetoras (como as de bebês) também ajuda a formar uma barreira contra a umidade.
    • Há técnicas corretas de posicionar a pessoa na cama ou na cadeira de rodas, e também para transferi-la da cama para a cadeira. Informe-se com o profissional de saúde.
    • Mudar a posição do corpo de hora em hora, mesmo que ela não saia da cama ou da cadeira, ajudará bastante. Também há um jeito certo de virá-la sem arrastá-la nos lençóis e colchão. Aparelhos como o trapézio ou o forro da cama podem ajudar. Informe-se adequadamente com um profissional de saúde se há problema em fazer isso. Uma tabelinha com os horários, afixada em local de grande visibilidade, ajuda a não esquecer.
    • Se as pessoas não se alimentam, precisarão de complementação alimentar para poder responder com a adequada cicatrização de pele. Consulte um profissional sobre o uso de suplementos.
    • Travesseiros ou almofadas de espuma são úteis na proteção das pontas dos ossos, joelhos por exemplo.
    • Calcanhares devem ser mantidos ” no ar”, usando-se um apoio de travesseiro embaixo da barriga da perna.
    • Quando de lado, deve-se evitar a posição que force diretamente o fêmur.
    • A cabeceira da cama não deve ficar muito tempo na posição elevada, para não aumentar a pressão nas nádegas, que leva ao desenvolvimento da úlcera de pressão.
    • Se a pessoa ficar sentada em cadeira de rodas ou poltrona, use uma almofada de ar, água ou gel, mas nunca aquelas almofadas que tem orifício no meio, pois elas favorecem o aumento da pressão localizada e a presença da ferida.
    • É importante o uso de colchão especial que reduz a pressão, como o colchão de ar ou colchão d’água, mas, atenção: o colchão “caixa de ovo” aumenta o conforto, mas não reduz a pressão. Para a pessoa que já tem a úlcera, o adequado é o colchão de ar ou água.
    • Incentive a pessoa que é capaz de levantar seu peso da cadeira de rodas ou da cama, a fazê-lo a cada 15 minutos. Os que não conseguem devem ser ajudados por outras pessoas, ou levados de volta para a cama.

IMPORTANTE.

      • Examine diariamente a pele da pessoa que está acamada ou imobilizada.
      • Se perceber que alguma anormalidade está começando, não a deixe sentar-se ou deitar-se em cima da região afetada e tente descobrir a razão disto estar ocorrendo.
      • Se você detectou uma úlcera de pressão, busque ajuda de profissional da saúde para auxiliar no tratamento adequado.
      • Lave a úlcera somente com soro fisiológico ou água.

Nunca use:

    • sabão;
    • sabonete;
    • álcool;
    • mertiolate;
    • mercúrio cromo; e,
    • iodo (povidine).

Procure sempre o profissional de saúde para prevenir ou tratar uma úlcera de pressão.

Lembre-se: suspeitando de anormalidade, consulte seu médico ou profissional especializado.

Com pequenas adaptações, o texto usado é transcrição do site: “Biocure” da “Pele Nova”.

Paulo Dirceu Dias
paulodias@pdias.com.br
Sorocaba – SP