Que Eventos Privilegiar, Individuais ou Coletivos?

“Os dirigentes do Esporte dos Jogos do Bilhar devem preocupar-se mais com a realização de eventos coletivos, voltados aos clubes, ou com os individuais, dedicados aos atletas?”.

Para avaliar devemos considerar que:

  • as Federações são fundadas nos Estados por clubes e agremiações à eles equiparadas, detendo a condição exclusiva do poder de voto;
  • as outras entidades praticantes do esporte, não enquadradas ou equiparadas a clubes, como os salões comerciais, também podem vincular-se às federações, mas, por meio de registro e/ou reconhecimento, sem direito de voto;
  • a Confederação Brasileira de Bilhar e Sinuca – CBBS foi fundada por Federações regularmente constituídas, portanto, pelos clubes e agremiações desportivas à elas filiadas; e,
  • os atletas, que também não podem ser filiados e não tem direito à voto, devem ser registrados individualmente nas Federações e cadastrados na Confederação, por meio dos clubes e outras entidades desportivas à que são vinculados e representantes.

Com essa organização nas entidades oficiais dirigentes do nosso esporte, podemos entender que elas deveriam defender acentuadamente os interesses de suas filiadas fundadoras, isto é, dirigir as suas realizações e eventos para os certames coletivos, cujas equipes participantes defendam os seus clubes e agremiações.

Adicionalmente, ainda considerando a sólida base coletiva, não podemos ignorar que os mesmos clubes filiados dependem da participação dos seus atletas e que, sem eles, a equipe representativa e o próprio esporte não terão existência e significado.

Dessa forma entendo que:

  1. ambas as categorias são importantes e interdependentes;
  2. os campeonatos individuais são necessários e devem continuar tendo as atenções dos nossos dirigentes, pois incentivam e divulgam o esporte, induzem à sua prática e originam fãs e admiradores, que tornam-se simpatizantes, adeptos, colaboradores e praticantes;
  3. os certames coletivos, com equipes representativas de clubes e entidades desportivas, são de vital importância ao desenvolvimento do nosso esporte, e necessitam ser intensificados e multiplicados, rápida e geometricamente;
  4. sem os clubes e entidades equivalentes, e as suas realizações coletivas, o esporte continuará com dificuldades no crescimento, e o número de adeptos manterá o atual e lento progresso;
  5. o oposto é verdadeiro; com o apoio e participação efetiva dos clubes e equivalentes, o sucesso das realizações desportivas será maior, mais rápido, concreto e acentuado; e,
  6. é também fato que, assim como em outros esportes, prestigiado pelos clubes e ampliadas as realizações coletivas, o nosso esporte terá maior número de assistentes e adeptos, com as atenções voltadas para os certames de equipes, com torcidas vibrando por seus clubes, suas comunidades, suas cidades e os seus estados, em equipes compostas por seus atletas preferidos, com sadia e progressiva atenção natural na relevância dos eventos individuais.

Assim, entendo ser correto concluir que; o futuro do esporte da sinuca depende significativamente das realizações coletivas, e que, os eventos que envolvem atletas individualmente se tornarão consequência natural daquelas, crescendo em mesma proporção.

Agravando tal necessidade constata-se que, geralmente, bom número de clubes que reivindicam maior atenção e mais participação coletiva, simultaneamente relutam em prestigiar e apoiar os seus departamentos e dirigentes do esporte da sinuca, dificultando, quando não impedindo, os trabalhos que deverão no futuro atingir os objetivos primeiros das nossas entidades; os certames coletivos.

Como testemunho de tal importância, de tempo passado, cito fato real: por longa inatividade, proporcionada por diretoria desmotivada, determinada federação foi desfiliada da Confederação Brasileira, em atitude adotada com o objetivo de permitir e facilitar a sua reorganização, com outro grupo retomando as atividades.

Novo grupo assumiu, novamente vinculando a entidade à Confederação, mas esbarrou na ostensiva desconfiança dos dirigentes de clubes, estes entendendo que as iniciativas do novo grupo “…poderiam também ser dirigidas para os “profissionais” do esporte, individualmente, em detrimento dos coletivos defendidos pelos clubes”.

Não sendo esse o objetivo primeiro das entidades do esporte, e do novo grupo, árduo trabalho de convencimento e reorganização acabou por vingar e prosperar, por meio de investimentos maiores em certames coletivos, sem desmerecer os individuais, conseguindo a adesão contínua e crescente dos clubes, levando aquela federação a ser apontada como exemplo à muitas das suas coirmãs, em organização, realizações desportivas, e respeito, por bom período.

Infelizmente o indesejável também aconteceu; essa visão e práticas foram alteradas na troca seguinte de diretores, e, com os novos dirigentes, a entidade voltou a atenção mais para as atividades individuais, perdendo muitos dos clubes filiados, passando a contar com insignificante número. E regrediu, muito! Em oposto, um reduzido número de federações que dedica atenção aos coletivos, crescem desportivamente.

Portanto, confirma-se que; sem os clubes e os eventos coletivos, definitivamente não há progresso no nosso esporte, ou ele é mínimo.

É fato que ainda hoje é mantido destaque maior para os eventos individuais, mas assim acontece por falta de conscientização da verdadeira necessidade e caminho do esporte, por parte de dirigentes, clubes e praticantes. Bom número não nega atenção, participação e prestígio, mas são poucos e ainda não encontram o justo respaldo da maioria dos clubes e, até mesmo, de algumas federações.

Sem sacrificar ou reduzir a atenção para o que já existe, é minha sincera esperança que os dirigentes consigam reverter o quadro atual, por meio da intensificação nas realizações coletivas, sem dúvida o único caminho para promover o crescimento acentuado do nosso esporte.

Para isso, necessitam do apoio de atletas, individualmente, e dos clubes, agremiações, associações, academias, salões comerciais, enfim, de todas as entidades que podem e devem realizar eventos coletivos, com frequência e destaque.

Coletivamente encontraremos maior sucesso!

Paulo Dirceu Dias
paulodias@pdias.com.br
Sorocaba – SP