Pool – Bola Nove (Nine Ball)

Criado nos EUA com diferentes modalidades – Bola 8, Bola 9, 14×1 e outras -, o Pool é uma variação das regras dos Jogos do Bilhar e do Snooker. Sob os cuidados do eficiente marketing americano extrapolou fronteiras, com divulgação e prática em todos os continentes.

A mesa oficial para o Pool tem campo de jogo pouco menor que a nossa de Sinuca e Snooker, com 2,54 x 1,27 m, e tem caçapas com aberturas proporcionalmente bastante maiores que as do Snooker e Sinuca.

A versão Bola 9 – Nine Ball – usa uma bola branca e 9 numeradas, com aproximadamente 5,7 cm de diâmetro, pouco maiores que as da sinuca, que são visadas por ambos jogadores e devem ser encaçapadas na sequência crescente, dando a vitória à quem finalmente converter a bola 9, independentemente de quem encaçapou as bolas anteriores.

Destacam-se nessa modalidade algumas curiosidades:

a) a mesa menor e com caçapas maiores, a reduzida quantidade de bolas e a simplificação das regras tornam o jogo bastante rápido, dinâmico e com grande “mataria”;

b) o jogador que converte a bola 9 é o vencedor, mesmo que o seu oponente tenha anteriormente encaçapado todas as outras oito bolas, ainda que em única sequência de tacadas;

c) não ocorrendo com assiduidade, também será vencedor da partida o jogador que encaçapar a bola 9 na tacada de saída, ainda que a única; e,

d) não é exigido cantar a caçapa, valendo a conversão das bolas em qualquer delas. Como única exceção, é permitido que, quando determinado em regulamento de evento, os jogadores sejam obrigados à cantar a caçapa visada somente para a conversão lícita da bola 9.

As regras internacionais do Pool também são oficiais no Brasil.

Contando com forte apoio da mídia, principalmente televisão, nas categorias masculina e feminina, a versão Nine Ball vem surpreendendo com acentuado crescimento e promoção de grandes campeonatos, reunindo jogadores de muitos países, atraídos principalmente pelos vultosos prêmios oferecidos que, geralmente, oscilam entre US$ 10.000 a US$ 25.000, ou mais em alguns.

Diversas cidades americanas, como Las Vegas, Flórida, Albuquerque, Alpine (Califórnia), Atlantic City, Michigan, Carolina do Norte, Peoria (Illinois) e outras, vem promovendo esses eventos com frequência, com dois ou mais por mês.

A Confederação Brasileira já realizou no Brasil alguns campeonatos do Nine Ball, internacionais e brasileiros, e algumas federações tem promovido certames locais e estaduais, mas a sua prática entre nós ainda se mostra bastante tímida.

Atualmente, com pouca ou nenhuma atenção da televisão brasileira aberta, alguns canais fechados começam a se interessar. Há algum tempo a ESPN Internacional exibia regularmente no Brasil alguns campeonatos de projeção internacional, inicialmente editados nos EUA e retransmitidos para boa parte dos nossos estados. Alcançando bons níveis de audiência, nos últimos meses estavam exibindo transmissões com sonorização e comentários aqui gravados, com participação de comentaristas e jogadores brasileiros de projeção.

Aconteceram algumas transmissões ao vivo, mas geralmente as gravações aconteciam nas quartas feira e as transmissões nas sextas, com algumas reprises durante a semana, em horários variados. Não tendo assistido mais tais realizações, desconhecemos se mantém continuidade ou não!

Na televisão internacional predominam eventos femininos, onde estrelas como Allison Fisher, Karen Corr, Jeanette Lee, Ga Young Kim, Gerda Hoffstater, Ewa Lawrence, Tiffany Nelson, Vivian Villareal, Monica Webb, Helena Thornfeldt e outras dão show de técnica e competência.

São exibidas etapas do campeonato mundial, com patrocínio da WPBA – Womem Professional Billiard Association e APA – American Pool Players, uma liga que conta com mais de 250.000 membros ativos e, juntamente com o Pool, promove ações beneficentes para os desabrigados do Tsunami, do Katrina e outras catástrofes, além de entidades como “Unicef”, “Make a Wish”, “World Vision”, e outras com portadores de fibrose cística, câncer, etc. Nos certames masculinos, alguns nomes de projeção no Nine Ball são; Johnny Archer, Charlie Williams, Rodney Morris, Luc Salvas, Marlon Manalo, Gabe Owen, e outros.

Algumas variações do Nine Ball vem também atraindo o público, como as exibições de malabarismos – Trick Shot -, cujo sucesso levou a ESPN a patrocinar uma etapa do mundial da modalidade, com destaque para campeões como o italiano Stefano Pelinga – http://www.stefanopelinga.com – que venceu dois lendários jogadores da modalidade; o Dr. Tom “Cue” Rossmann e o Mikey Massey. Nessa modalidade um dos jogadores sugere uma exibição e a apresenta, para que o oponente tente executá-la, com direito a duas oportunidades. Conseguindo marca um ponto, vencendo quem executar de forma perfeita a maior quantidade de exibições. Para isso usam como auxiliares os mais inusitados materiais; lenços, moedas, garrafas, botas, saquinhos de pipoca, taças de cristal e outros. Geralmente concedem ainda um prêmio, do gênero “mister simpatia”, para o mais simpático e bem humorado entre os jogadores.

Outra variação transmitida pela TV foi o torneio “Texas Hold’Em Billiards”, com jogos e apostas que mesclavam regras do poker, com “all in”, “pote”, “bet” e outros, onde só o campeão levou o prêmio total de US$ 100.000. Mais uma variação transmitida foi o “Skins Billiards Championship”, com mesclas do jogo de golfe, onde o prêmio total atingiu US$ 130.000, dos quais o campeão, Santos Sanbajon, levou US$ 73.500.

Aconteceu também o “Wheelchair 9 Ball Championship”, promovido pela NWPA – National Wheelchair Poolplayer Association, a associação dos jogadores de pool em cadeira de rodas, constituído por dois eventos distintos, com seus vencedores, Aaron Aragon e Kurt De Klerck, disputando o título máximo, e os terceiro e quarto colocados disputando o “Scotch doublés”, um torneio de duplas, cada um com uma jogadora profissional como parceira.

Para o Brasil a ESPN entregou as narrações dos jogos para o João Carlos Albuquerque, conhecido por apresentar o programa de automobilismo “No limite”, da mesma emissora, fazendo dupla com a Silvia Taioli, destacada atuante paulistana. A Silvia é engenheira química. Ainda garotinha foi iniciada na sinuca por seu pai, e hoje é instrutora e árbitra de sinuca, já foi campeã brasileira de sinuca, três vezes campeã paulista, diretora do departamento feminino de sinuca da Federação Paulista de Sinuca e Bilhar, e agora vem se destacando como comentarista de Pool pela ESPN Internacional. Mais informações sobre ela estão em: http://www.aulasdesinuca.com.br.

Curiosidade contada pela Silvia: sabe-se que, nos EUA, produziram um filme retratando a vida das jogadoras profissionais de Pool, estrelado pela Jennifer Baretta, uma jogadora lindíssima, com apoio técnico das campeãs mundiais Karen Corr e Kelly Fisher. De “boca pequena” houve-se falar de um possível filme brasileiro, drama familiar, envolvendo destacadamente a Sinuca.

As informações desta matéria tiveram a colaboração da Silvia Taioli.

Paulo Dirceu Dias
paulodias@pdias.com.br
Sorocaba – SP