Feridas Traumáticas

Os comentários seguintes servem apenas como alerta e orientação generalizada. A automedicação pode originar agravamentos. Nunca deixe de consultar seu médico.

Feridas traumáticas são originadas por causas externas, como acidentes, mordeduras, explosões, ferimentos por armas brancas ou de fogo, etc., podendo ou não ocorrer a perda de tecidos. As feridas traumáticas são muito diferentes das incisões cirúrgicas, por isso exigem, no seu atendimento, protocolos padronizados por consenso.

No tratamento da ferida traumática são importantes os procedimentos realizados no atendimento de urgência. Deve ser feita lavagem abundante com solução fisiológica e retirada de corpos estranhos. Todo o material necrótico deverá ser desbridado cirurgicamente.

A prevenção da infecção é um dos principais objetivos nos cuidados às feridas traumáticas. Há dados científicos demonstrando que, ao chegar a um serviço de Emergência, 70% dos ferimentos apresentam organismos patogênicos, indicando risco de infecção por causa desta contaminação. É importante, entretanto, saber que a contaminação não leva necessariamente à infecção.

Com frequência há um extenso intervalo de tempo entre a ocorrência do ferimento e a chegada ao hospital. A demora no atendimento resulta na possibilidade de multiplicação de qualquer organismo presente na lesão. A maioria das feridas de pessoas, nas primeiras 6 horas contêm menos de 105 micro-organismos por grama de tecido e são relativamente seguras para serem fechadas. Já as lesões múltiplas, que simulam os ferimentos de guerra, geralmente têm mais organismos por grama de tecido. Estas irão, em geral, tornar-se infectadas, apesar do uso de antibióticos. É altamente provável que, nestes pacientes, uma redução do tempo de atendimento para menos de 6 horas, seja mais eficiente que administrar antibióticos como prevenção de infecção.

Há diferentes tipos de feridas traumáticas:

  • incisões – tipicamente lesões produzidas por facas, podendo também serem devidas a quedas sobre vidros, acidentes com folhas de metal ou qualquer objeto com uma borda cortante. Podem ser superficiais ou profundas, as vezes, atingindo estruturas tendinosas, músculos, nervos e vasos;
  • lacerações – tipo de lesão também cortante, resultando em feridas com bordas irregulares. A quantidade de tecido chamado de “desvitalizado” nestas lesões pode aumentar o risco de infecções;
  • abrasões; contusões; lesões penetrantes; mordeduras; descolamentos; são outros tipos de lesões traumáticas.

Os cuidados e curativos adequados à cada tipo de lesão contribuirão para acelerar a formação do tecido de granulação e cicatrização.

O acompanhamento com uma equipe multidisciplinar sempre aumentará a chance de sucesso no tratamento.

Procure sempre um profissional de saúde para acompanhamento de uma ferida.

Lembre-se: suspeitando de anormalidade, consulte seu médico ou profissional especializado.

Com pequenas adaptações, o texto usado é transcrição do site: “Biocure” da “Pele Nova”.

Paulo Dirceu Dias
paulodias@pdias.com.br
Sorocaba – SP