Artrose

Os comentários seguintes servem apenas como alerta e orientação generalizada.

A automedicação pode originar agravamentos. Nunca deixe de consultar seu médico.

Artrose, a mais comum das doenças reumáticas, acomete tanto homens como mulheres e aumenta sua incidência com a idade.

Vários fatores então envolvidos no seu aparecimento, e o principal sintoma é a dor nas articulações. O tratamento da artrose inclui medidas que melhoram a qualidade de vida, como exercícios físicos, repouso, controle do peso e medicamentos para controle da dor, que só podem ser determinados e acompanhados por um médico especialista.

ARTROSE

A artrose, também conhecida como “osteoartrose”, “osteoartrite”, “artrite degenerativa” e “doença articular degenerativa”, é uma doença reumática que incide principalmente nas articulações dos joelhos, coluna, quadril, mãos e dedos. Ocorre tanto em homens como em mulheres e é a mais comum das doenças reumáticas. Mais de 70% das pessoas acima de 70 anos tem evidência radiográfica desta doença, mas apenas parte destas desenvolvem sintomas.

Na artrose ocorre o desgaste progressivo da cartilagem das juntas (articulações) e apresenta uma alteração óssea, os chamados “bicos de papagaio”. Fatores hereditários e fatores mecânicos podem estar envolvidos no seu aparecimento.

CAUSAS

Atualmente a artrose é considerada como tendo uma causa multifatorial, envolvendo fatores genéticos, mecânicos e metabólicos.

A artrose pode ser dividida em primária (sem causa conhecida) ou secundária (com causa conhecida). A primária pode afetar as juntas dos dedos, mãos, bacia, joelhos e coluna, ocorrendo mais frequentemente em idosos. A artrose secundária pode afetar qualquer articulação, a exemplo de sequela de lesão articular de causas variadas, como traumatismos, defeitos das articulações, hipotireoidismo, diabetes, etc., e pode ocorrer em qualquer idade.

A participação da hereditariedade é importante, principalmente em certas apresentações clínicas, como os nódulos nos dedos das mãos, chamados de nódulos de Heberden (na junta da ponta dos dedos) ou Bouchard (na junta do meio dos dedos).

Além dos fatores genéticos, outros fatores são considerados de risco para a artrose, como a obesidade e certos tipos de atividades repetitivas e com sobrecarga de articulações.

SINTOMAS

No início a artrose pode não apresentar sintomas, sendo identificada somente por meio de radiografias. A dor é o principal sintoma, que no início ocorre apenas com a movimentação da articulação afetada, e melhora com o repouso, mas que progride para uma dor profunda, até mesmo em repouso. Muitas vezes a dor é acompanhada de rigidez ao levantar-se pela manhã, ou após longo período sentado. Pode ocorrer também diminuição dos movimentos, ruído na articulação (crepitações), inchaço na articulação, deformidades e falta de firmeza ao realizar movimentos.

TRATAMENTO

Sendo doença crônica, o seu tratamento deve ser iniciado tão precocemente quanto possível, e de forma individualizada. O objetivo principal do tratamento é o alívio da dor, proporcionando melhora na qualidade de vida, pela manutenção ou recuperação da capacidade do indivíduo em realizar suas atividades habituais.

As formas de tratamento da artrose são: medicamentos e terapias não-medicamentosas, sendo que nestas formas estão incluídas as medidas fisioterápicas, ocupacionais e orientações psicológicas e nutricionais. Os tratamentos buscam controlar a dor, manter ou ganhar força muscular e mobilidade articular, prevenir e minimizar os efeitos da doença, no que se refere aos movimentos ou às possíveis deformidades articulares. Tenta-se, dessa forma, diminuir a evolução das lesões nas articulações.

O tratamento medicamentoso para a dor pode ser feito com o uso de analgésicos simples, como o acetaminofeno, e nos casos sem resposta satisfatória pode-se usar anti-inflamatório. Deve-se evitar o uso de anti-inflamatórios em idosos com doença renal e com risco aumentado de sangramento digestivo.

Injeções de substâncias dentro das articulações (esteroides) também podem controlar os sintomas articulares, mas apenas por breve período de tempo. Outros medicamentos então sendo estudados para melhorar o curso dessa doença.

Os programas de exercícios físicos proporcionam notável benefício no tratamento da artrose. Exercer alguma atividade física diária (compatível com sua idade e condicionamento físico) trará melhora na função muscular, ajudará a manter a integridade da articulação e poderá reduzir a dor. Além disso, melhora o sistema cardiovascular, a sensação de bem-estar e a função mental, além de reduzir a ansiedade, a depressão ou outra forma de estresse psicológico que possa estar presente. Os exercícios devem ser moderados e de baixo impacto. Obviamente, as atividades físicas devem respeitar a gravidade da doença, além da saúde geral da pessoa com artrose. Fisioterapia e hidroterapia também são úteis para a prevenção e o tratamento da artrose.

Os períodos de repouso durante o dia podem ser importantes na rotina de pessoas com artrose. A redução da sobrecarga na articulação, tanto por meio de repouso quanto pelo uso apropriado de uma bengala, frequentemente permite maiores períodos de atividade com uma dor menos intensa. O uso de calçados acolchoados (sapatos comerciais para corrida ou caminhada) também pode ajudar na melhora dos sintomas.

Com relação à dieta, é importante ressaltar que a obesidade é um fator de risco para a artrose, e pode contribuir para lesar ainda mais as articulações, principalmente os joelhos e bacia. Portanto, a alimentação dever ser saudável, evitando massas, doces e gorduras, dando preferência para frutas frescas, legumes, grãos e proteínas de origem vegetal ou animal, como leite (de preferência desnatado), queijo branco, peixes e carnes magras.

As cirurgias são reservadas para aqueles que não melhoraram mesmo com todas as medidas clínicas e continuam sentindo dor, que interfere nas atividades cotidianas ou apresenta limitações importantes de movimento.

RECOMENDAÇÕES GERAIS

É importante que o indivíduo com artrose mantenha boa saúde geral, elimine os fatores de risco, como o excesso de peso corporal, preserve uma boa força muscular e, acima de tudo, reconheça a sua própria responsabilidade no controle do tratamento, conforme indicado por médico especialista.

O equilíbrio entre atividade e repouso é fundamental, especialmente nas articulações que suportam peso.

Para que haja alívio da dor, é importante o uso correto dos medicamentos. Estes devem ser usados de acordo com as orientações dadas pelo seu médico.

É importante discutir as dúvidas com o seu médico, e seguir rigorosamente as suas orientações, compreendendo que os resultados aparecem a longo prazo e que a continuação do tratamento é fundamental para o seu progresso.

Procure o seu médico ao perceber qualquer sintoma que leve à suspeitas. Só ele poderá lhe oferecer orientações seguras.

Redigido com base em matéria do site: “Boa Saúde”.

Paulo Dirceu Dias
paulodias@pdias.com.br
Sorocaba – SP