A Escola Voltada Para o Futuro

Em prol das nossas crianças, dos nossos jovens, das nossas escolas e, principalmente, dos nossos professores, todos criminosamente cada vez mais ignorados pelo “poder público”, que vem se aprofundando no lodaçal da ignorância dos “líderes” alçados ao “poder”!

NO FINAL DESTE TEXTO conheça mais um breve vídeo, de apenas 19m36s, com matéria que merece ser considerada com atenção e carinho, por famílias, professores, diretores, gestores educacionais e, principalmente, pelos gestores públicos da nossa “Educação”;A escola voltada para o futuro”!

O programa “Educação do Futuro”, do “Globonews em Movimento”, inicia utilizando Singapura como exemplo, mas também mostra algumas escolas e empresas brasileiras, americanas, africanas e outras, que estão “se mexendo” e trilhando com êxito caminhos desafiadores, para atingir metas mais modernas, inclusive tecnológicas. Uma das escolas exibidas seria inacessível para a quase totalidade dos brasileiros, mas, pode servir como exemplo e orientação para nossos gestores públicos, que, mais que todos, precisam “se mexer” em busca da eficiência, da excelência!

Em interessante trecho citam Mianmar, décimo primeiro país mais pobre do mundo (70% das escolas não tem eletricidade disponível), que é ótimo exemplo na preparação de professores, com sistema educacional completo e amplo.

Outro trecho cita Joanesburgo, na África do Sul, que, em parceria com a iniciativa privada, sem contar com verbas públicas, criou vitorioso e eficiente programa dirigido às crianças e jovens carentes, originadas em espaços similares às nossas favelas e nossas zonas rurais, conseguindo que, em 15 anos, 95% à 100% dos alunos saiam da escola com ótima qualidade educacional e emprego formalizado!

Lembremos que Singapura, que fez parte da Malásia e foi colônia Britânica no pós-guerra, só conquistou sua independência, como “Cidade Estado”, em 1965, portanto, há pouco mais de 50 anos, quando optou pelo crescimento e desenvolvimento rápido e seguro investindo maciçamente em educação (Ironicamente; faz lembrar o nosso Brasil, “independente” desde 1822, portanto, com quase 200 anos?).

Em Singapura os gestores educacionais focaram no aperfeiçoamento do sistema educacional, valorizando os alunos e, principalmente, os professores, que mereceram a criação de 12 (doze) Institutos Nacionais de Educação, especializados na formação e aperfeiçoamento dos professores, em 12 diferentes especializações. Aprendem a valorizar os alunos e os direcionar à serem “protagonistas de suas próprias vidas”, focando nas modernas orientações do PISA – Programa Internacional de Avaliação de Alunos. Com resultados relativamente rápidos, em poucas gerações, seus estudantes se destacam na participação do mundial PISA – Programa Internacional de Avaliação de Alunos.

O PISA – Programa Internacional de Avaliação de Alunos, organização internacional com sede na França, mantém rede mundial de avaliação de desempenho escolar, com aplicações realizadas pela primeira vez em 2000 e repetidas a cada três anos. É coordenado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico, visando a melhora das políticas e resultados educacionais, à cada três anos avaliando 540.000 estudantes de 72 países.

As avaliações do PISA privilegiam; leitura, matemática, ciências, pensamento crítico e criativo e o entendimento e interpretações de textos e questões. Nas avaliações de 2015/2016 os resultados finais foram;

1º) Singapura
2º) Hong Kong
3º) Japão
4º) Macau
5º) Estônia
(…)
63º) Brasil

Conhecer a reportagem nos leva à considerações e indagações importantes, como; o que precisamos fazer no Brasil, para valorizarmos as nossas crianças, os jovens e os estudantes em geral, e os nossos professores? Certamente a matéria “nos sacode”!

Segue o vídeo;

Conheça também:

O sistema educacional na Finlândia:
23m03s de vídeo que “valem ouro”!

Paulo Dirceu Dias
paulodias@pdias.com.br
Sorocaba – SP

Agosto de 2019